Unielfa

Entenda o que é a doença inflamatória intestinal

A Doença Inflamatória Intestinal, também conhecida como DII, ainda é pouco divulgada, mas afeta 5 milhões de pessoas em todo o mundo. Ela é composta, principalmente, pela Doença de Crohn, que pode acometer qualquer parte do trato gastrointestinal e pela retocolite ulcerativa, confinada apenas ao intestino grosso. Apesar de não existir cura, o disgnóstico precoce e o tratamento adequado podem ajudar a controlar os sintomas, manter a saúde e a qualidade de vida dos pacientes. Como identificar a doença inflamatória intestinal Segundo Sinara Leite, presidente da Sociedade Mineira de Coloproctologia a retocolite ulcerativa é uma doença inflamatória do intestino grosso, caracterizada pela inflamação e ulceração da camada mais superficial do cólon. Já a doença de Crohn pode afetar qualquer área do trato gastrointestinal. Ainda não existe uma causa comprovada para a Doença Inflamatória Intestinal, porém pesquisas apontam que uma combinação entre genética, um sistema imune reativo em excesso e fatores ambientais podem contribuir para o desenvolvimento da patologia. Alguns sintomas que costumam se manifestar são diarreia, com ou sem sangramento retal, vômitos, perda de peso, dor abdominal e diversas queixas associadas, a exemplo da artrite, pioderma gangrenoso e colangite esclerosante primária. O diagnóstico é feito por meio de colonoscopia com biópsia das lesões patológicas. Tratamento e controle da doença Ainda não existe cura para a Doença Inflamatória Intestinal. Porém, de acordo com Sinara, a medicação ajuda a manter os sintomas sob controle e, por consequência, a aumentar a qualidade de vida do paciente. O tratamento para a DII deve ser indicado e acompanhado por um especialista na área, pois existes diferentes possibilidades terapêuticas, cada uma delas mais adequada para um tipo específico de caso. Afinal, todos os pacientes são diferente e respondem às técnicas de maneiras variadas. É também por conta disso que o acompanhamento constante se torna fundamental. Sinara aponta que os métodos mais comuns são à base de medicação e terapias, mas existem exceções. “Pode ser indicado o uso de medicamentos como antibióticos, corticosteroides, imunomoduladores e probióticos, além de terapias nutricionais e biológicas e, até mesmo, intervenção cirúrgica”.   Os principais objetivos dos tratamentos para a Doença Inflamatória Intestinal são controlar os sintomas e induzir o quadro para uma remissão, além de minimizar a toxicidade dos medicamentos utilizados a curto e longo prazo, restaurando e mantendo o estado nutricional. É possível ainda promover o desaparecimento parcial das lesões inflamatórias. Foto: iStock, Getty Images